27.11.11

À escuta na noite...


Acordo na noite
a escutar o apelo forte
do que sofre e amo
mais que a vida...
o que silenciou o amor
e silencia a dor
com determinação e melancolia.

E o meu coração estala e dispara
a cada chamamento
ao longo da noite insone
que qual manto de gelo
enrolo sobre mim
confrangida, alerta...
e tento não romper.

Uma oculta prece
 sem palavras brota  
então dentro de mim
certa que estou 
de que para tudo
há um aparente e mesmo fim
em que tempo cronológico pouco interessa...

A aventura da vida nada foi 
se comparada com o viver
em outra dimensão...
Torna-se porém mais doce
partir com alguma ilusão...
Eu sei que só terei comigo a mais forte
e a mais querida: o meu amor
que quer reencontrar-te
na dimensão da lua e das estrelas
e aí aguardar-te.

Por isso confio ao silêncio da noite
toda a minha ternura...
num misto de doçura e desolação....
E  só depois mergulho num outro pesadelo - 
- o de esfrangalhados ossos
a gemer.