12.11.11

Silêncio de mim...


No silêncio de mim
não sou estátua de pedra
nem de mármore...
Sou livre e inteira
sou carne, sentidos, emoções
sentimentos e razão...
Mas nem todos entenderam por bom
o meu jeito de ser...

Foi num  todo indestrutível
que te suspeitei
E foi  com esse todo
 que também 
 te amei....

Perante essa dádiva da vida
não conta a dor
não conta a lágrima
mas a grandeza do amor
Forte e mágico
Sublime e eterno enquanto duremos
nesta dimensão de azul

Ou em outra...