2.11.11

A vitória do azul...



Erguidos para o céu os braços desgrenhados
plantou sonhos de sonhos no infinito

e deu-se então conta
de que não era só

havia no azul espasmos de carinho
e sorrisos nas noites vazias
e beleza na dor
mesmo se por amor

e sorriu por fim à vida
para se libertar