26.1.12

Neblina...


É tempo dos lírios roxos
como dores esparzidas
aos frios solarengos de Janeiro
A neblina  lenta da tarde desce 
no horizonte inteiro

A tristeza extrema é ainda feita da luz difusa
desse lençol de névoa 
que prenuncia o anoitecer
e estende o convite  às aves
para se aquietarem
antes de adormecer...

Esqueléticas
 árvores nuas de folhas
erguem-se famintas
esperando renascer
numa prece calada
e na atmosfera gelada
na ânsia de viver