25.2.13

Alma em busca...


Lenta, triste,
 entro no silêncio de ti
sem amargura
Escuto-me a reflectir
calada
lassa de buscar-te
na lonjura
Permaneço encerrada
onde a beleza
perdura
nesse equilíbrio instável
do pequeno prazer 
de cada dia
de que tão só aprecio
a leveza
 e a frescura.