18.3.14

Sede do inverno...


Já não sinto sede.
Bebi todas as lágrimas choradas 
no rocio falaz de muitas madrugadas
ao acordar sem sentir 
nem o frio álgido 
nem a claridade
mas o silêncio e a treva
do não querer.

márcia amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário